A (solidão na) formação do analista

É por existir uma transferência com o impossível que o analista não é inteiramente capturado pela transferência com o nome de Freud, e que, nesse sentido, uma parte dele, comparável àquelado artista, comemora o fato de que ele permanece um pioneiro que sabe que a teoria analítica, por mais consistente que ela seja, é atravessada por um não-saber que, uma vez encontrado, deixa-o radicalmente só. 

Texto de Alain Didier-Weill,  por um lugar de insistência. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s